O botão de pânico é mais uma solução integrada a outros sistemas de segurança eletrônica que visam a segurança do condomínio ou da empresa. Trata-se de um dispositivo, que ao ser acionado, envia um sinal de alerta para a portaria ou central de monitoramento. O ato de apertá-lo não gera nenhum tipo de som audível, permitindo um acionamento mais discreto e seguro, já que o meliante não consegue percebê-lo.

Tipos de botão do pânico

O botão de pânico pode ser personalizado de acordo com as necessidades de cada negócio. Por exemplo, é possível programá-lo para emergências policiais ou emergências médicas. Em geral, existem dois modelos básicos de botão de pânico:

fixo: o dispositivo é fixado, com ou sem fio, em um local específico do imóvel. Geralmente, é escolhido um ponto estratégico escondido, seguro e de fácil acesso. Por exemplo: portaria, mesa de trabalho, área de cofres, etc;

móvel: este modelo se assemelha a um chaveiro de alarme de carro. Junto a ele existe a receptora, um aparelho de comunicação que se conecta à central ou portaria. O botão móvel pode ser carregado dentro de uma área de 50 metros de onde foi instalada a receptora.

No Grupo Previl, você ainda tem mais opções de botões de pânico, que além do controle remoto, também pode ser acionado pelo QR Code ou pelo tag de aproximação. Basta colocar a tag fornecida na lateral do painel. No app, existe um QR code específico que, ao aproximá-lo do painel, dispara o sinal de pânico para a central de monitoramento.

Como funciona o monitoramento do botão de pânico?

O botão de pânico deve ser acionado somente quando você tiver uma razão real para isso. E, preferencialmente, quando detectar a ameaça de longe, para que o tempo de ação seja efetivo, além de evitar que o criminoso possa visualizar sua ação e ter uma reação perigosa. Lembre-se: todo cuidado é pouco!

Diante de um acionamento de emergência, o botão de pânico manda uma mensagem de alerta para a central de monitoramento. Ao receber o sinal, os operadores acessam as câmeras de segurança e identificam a movimentação local. A partir disso, verificam se aquela situação de pânico é real ou um acionamento por engano.

Se for uma emergência, a central aciona os órgãos competentes imediatamente. Caso não seja identificado nenhum evento incomum, ela liga para o responsável e solicita a sua palavra-chave. Se a senha fornecida for correta, a ação é cancelada. Caso a senha esteja errada, é feito o acionamento remoto da polícia.

O botão de pânico é uma ferramenta muito importante em um sistema de segurança, sobretudo para a proteção. Isso porque ele possibilita que a pessoa agredida, ameaçada ou furtada chame por socorro sem se colocar em risco, já que o dispositivo pode passar imperceptível por não emitir som quando acionado.

Assim, residências, empresas e indústrias podem adotar rotinas mais normais, sem sentirem receio de que haja uma invasão ou agressão. Isso também pode ajudar a proteger pessoas mais sensíveis e em situação mais frágil, como crianças e idosos.

Por: Blog Prosecurity